Hermeto Pascoal, O Gênio Palpável

Um verdadeiro festival de dissonâncias musicais pôde ser apreciado pelo público presente na apresentação de Hermeto Pascoal, no último dia 24 de março, segunda-feira. O show em questão era o lançamento do último CD de Hermeto, intitulado Mundo Verde Esperança. O evento foi proporcionado pelo selo Rádio MEC e BR distribuidora e aconteceu no Rio Scenarium (Rua do Lavradio, 20), uma linda casa que, além de ser um bar, é um antiquário.

A casa estava cheia, nada muito difícil de se ver em uma apresentação de um gênio. Todos que estavam ali, pareciam nem cogitar não se divertir, era previsto por todos que a apresentação seria inesquecível.

Hermeto desce do elevador (a casa tem dois andares) e aparece para o público como uma pessoa normal, que apenas quer mostrar o seu último trabalho. Ao começar o show a gente vê que não é bem assim que a banda toca. O início parece até uma verdadeira quebradeira. A impressão que se tem é que todos os instrumentistas estão solando ao mesmo tempo. “A música é tão presente, os solos são tão variados, que parece que não coube espaço dentro do cérebro para a gente pensar” diz um dos presentes.

Depois de cerca de trinta minutos de música pesada, Hermeto vai para frente do palco e canta com uma chaleira, com água dentro. O improviso é bastante curioso, pois ele realmente executa maravilhosos solos com a tal chaleira d’água. Ele aproveita a pausa para agradecer os familiares, os amigos e os convidados.

Se o show é de Hermeto Pascoal, não tenha dúvidas, a banda dele é de um nível quase insuperável em técnica musical misturada com muita intuição. Na bateria, Márcio Bahia, um craque no instrumento, muito veloz e ao mesmo sutil nos movimentos. Na percussão, o filho de Hermeto, Fábio Pascoal. No saxofone, Vinícius Dorin, que executa solos rapidíssimos e nos dá a impressão de que tudo o que ele está tocando é muito fácil. No baixo, Itiberê Zwarg, que já tocava com Hermeto desde a lendária apresentação em Montreaux, no ano de 1979, que rendeu um dos melhores discos de sua carreira. No teclado, o mais jovem da banda, André Marques. Hermeto tem essas coisas de recrutar grandes músicos ainda jovens. Foi o caso do baixista Itiberê e do multi-instrumentista Carlos Malta, que anos atrás estavam tocando e aprendendo com o mestre.

O show ainda contou com a participação de alguns membros da Orquestra Família, liderada por Itiberê. A primeira foi sua filha, Joana Queiroz, que tocou clarinete e arrebentou, chegando a duelar com o saxofonista da banda, Vinícius Dorin. Depois subiu ao palco Aline Gonçalves para tocar flauta transversa e, para completar, a vocalista Beth Dau.

O clima não podia ser melhor. Na platéia, jovens e idosos dividiam a mesma alegria de contemplar a sonoridade do show. Houve um momento em que todos desceram do palco para tocar com cones de ferro. Era uma verdadeira orquestra de cones batendo no chão.

Depois dessa maravilha toda, os músicos voltaram ao palco para finalizar a apresentação e, novamente, quebraram tudo. Hermeto não poderia fechar de forma tão nobre. Apresentou seus companheiros, chamou Arismar do Espírito Santo para um pequeno e espetacular solo de teclado e, na última música, desceu do palco para passear com a banda pelo meio da galera. Um verdadeiro gênio. Um gênio que desce do palco. Um gênio palpável. Esse foi o show de Hermeto Pascoal.

Por Marcelo Ceará

II Encontro Da Federação Das Associações De Radiodifusão Comunitária

Entre os dias 14, 15 e 16 de março a Federação de Rádios Comunitárias do Rio de Janeiro - FARC - promoveu seu segundo encontro geral, realizado na sede dos Antigos Funcionários do Banco do Brasil, em Xerém, estado do Rio. O encontro, que teve o apoio do Viva Rio, do CERIS e da FASE, reuniu cerca de cem representantes de rádios comunitárias de todo o estado.

Durante os três dias a entidade debateu propostas a serem encaminhadas ao novo governo acerca da legislação para rádios comunitárias, assim como sobre a repressão às rádios - uma vez que muitas delas vêm sendo fechadas, até mesmo sem mandato judicial. Importantes presenças contribuíram para que o encontro ganhasse força e legitimidade, como a do delegado da Polícia Federal Dr. Armando Coelho, que é favorável à causa das RC’s e que defendeu perante representantes do Ministério da Justiça - Marcelo Zacchy e Jacqueline Muniz - a visão de que a o fechamento de rádios não deve ser prioridade para a PF.

Adair Rocha, representante do Ministério das Comunicações, ouviu dos integrantes da FARC suas propostas para o ministro Miro Teixeira, e prometeu repassá-las ao dono da pasta. O Ministério Público Federal também esteve presente no II Encontro da FARC, na pessoa do procurador Daniel Sarmento. Ele propôs uma audiência pública com a presença das RC’s, de representantes do Ministério das Comunicações, da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), do Ministério da Justiça e da Polícia Federal, prevista para o dia 30 de abril.

Membros de outras organizações de RC’s, como Márcio Jerry, da ABRAÇO - Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária - e Taís Ladeira, da Associação Mundial de Radiodifusão Comunitária - AMARC -, também contribuíram para o enriquecimento do debate. Sebastião Santos - Coordenador da FARC e da Rádio Viva Rio - comenta o encontro: “Nossas expectativas foram superadas tanto no número de participantes quanto nos resultados das discussões políticas”. E os resultados já estão aparecendo: o Ministério das Comunicações, ao receber as propostas elaboradas no encontro, deliberou pela criação de uma Comissão Nacional para tratar das questões das Rádios Comunitárias, composta por um representante da Câmara dos Deputados, um do Senado, um do Conselho de Comunicação, dois do Ministério e dois do Movimento de Rádios Comunitárias. A Comissão toma posse no próximo dia 2 de abril, em Brasília. O nome de Tião Santos foi indicado pelo Ministro e referendado pelo encontro para compor a Comissão.

A luta pela regulamentação das rádios comunitárias é fundamental para a sociedade brasileira, uma vez que, para vivermos em um país menos desigual, precisamos democratizar nossos meios de comunicação, proporcionando a todos o direito de falar e de ser ouvido.

Texto e foto: Gabriel Versiani

Leela Abre Show Do Tihuana E CPM22

A banda Leela tocou na última quarta, 19/2, no Canecão, em Botafogo, fazendo a abertura dos shows do Tihuana e CPM22. A vocalista Bianca Jordhão (foto) apresenta ao lado de Bia Grabois o programa Lado Bia, às segundas-feiras, das 16:00 às 18:00 horas na Rádio Viva Rio. Com seu pop-rock muito bem tocado e com refrões daqueles que a gente aprende de primeira – como em “Prato Principal” e “Ver o que faço”-, Leela mostrou que tem tudo para estourar em todo o país.

Além de um som contagiante, a banda ainda conta com a sensualidade da roqueira Bianca, que concentra todas as atenções em cima do palco. Leela assinou recentemente contrato com o selo Arsenal, da Sony Music, e o CD já está em fase de gravação. O site é www.leela.com.br.

O Tihuana também fez um show eletrizante, e no dia seguinte esteve no programa MPBeleza. Egypcio, um dos vocalistas, se disse muito satisfeito com a apresentação no Rio, cidade na qual, segundo ele, a banda não se apresenta com tanta frequência: “A direção do Canecão nos informou que houve um recorde de público na casa em uma quarta-feira. Foram mais de duas mil e setecentas pessoas”. Tihuana está lançando seu terceiro CD, “Aqui ou em qualquer”, também pela Sony Music.

Em seu primeiro CD o Tihuana vendeu mais de cem mil cópias, e o disco de ouro chegou em hora muito apropriada: “A gravadora resolveu nos entregar o disco de ouro logo depois do show que fizemos no Rock in Rio III. Foi perfeito, inesquecível”, conta o vocalista e percussionista Baía. O
som traz influências de hard core, punk rock, rap e reggae, com um toque de música latina através da flauta tocada pelo argentino Ramirez em algumas músicas, como em “Daquele Jeito”. No disco novo os integrantes optaram por uma nova sonoridade: “Buscamos levar para o CD a mesma energia do show, com a mesma pegada do som ao vivo, o que não aconteceu nos CD’s anteriores. E o resultado foi justamente o que esperávamos”, conta Egypcio. E energia não faltou no Canecão: a galera não parou de pular e cantar junto com a banda. Confira o site da rapaziada: www.tihuana.com.br.

Texto e fotos: Gabriel Versiani

Simoninha Empolga Com Seu Samba-Soul

Balanço, swing, samba-soul, diversão. Com essas palavras se pode definir o show que Wilson Simoninha apresentou na última quarta-feira, dia 12 de fevereiro, no Canecão. Realmente, o filho do rei da pilantragem, Wilson Simonal, herdou de seu pai o jeito forte de cantar, além do bom gosto musical. No repertório o melhor do sambalanço e da soul music, muitas vezes lembrando Banda Black Rio e, às vezes, lembrando Cassiano.

Simoninha esteve no programa MPBeleza, no dia anterior ao show (o programa estará disponível no site da Rede Viva Favela) para uma entrevista com Gabriel Versiani e Marcelo Ceará. No final do programa ainda ocorreu um belo encontro de Simoninha com Lenine, que iria fazer o programa Afroritmia, que sucede o MPBeleza na programação da Rádio Viva Rio, nas terças-feiras.

No Canecão, o show começou com uma música de seu pai, Tributo a Martin Luther King, de seu pai e Ronaldo Bôscoli. Uma música em que ele toca ao piano, deixando um ar de emoção no início da performance. As músicas seguintes são odes ao sambalanço, com o cantor fazendo caras e bocas de cafajeste. Muitas músicas dançantes acabam deixando o público empolgado para Simoninha dominar os ânimos. Tanto que ele, em determinado momento do show, desafia a galera para levantar de suas cadeiras para dançar. É quando ele toca um de seus sucessos “É Isso que Dá”. Música com refrão poderoso e empolgante. Ainda houve uma inserção da música “Mangueira” do Seu Jorge, uma grande surpresa para quem esteve naquela noite, no Canecão.

No bis, Simoninha voltou com força total levantando a galera novamente. O show terminou bem. Todos saíram do Canecão com a mesma sensação: o sambalanço está de volta.

Texto e fotos por Marcelo Ceará e Gabriel Versiani

Fernanda Porto Lança Seu CD No Canecão

A cantora e compositora Fernanda Porto fez, no último dia 05/02, grande show de lançamento de seu CD no Canecão, em Botafogo, Rio de Janeiro. Um dia depois de ter participado do MPBeleza (o programa está disponível em MP3 na Rede Viva Favela), Fernanda retribuiu à altura o carinho do público carioca e não deixou ninguém parado, mostrando porque é a nova sensação da MPB.

Intercalando músicas dançantes, como a radiofônica “Tudo de Bom”, e bonitas baladas, como “O Amor Não Cala”, Fernanda conquistou a galera com sua voz suave e afinada - impecável - e ainda mostrou suas habilidades em diversos instrumentos - teclado, saxofone, guitarra e até um computador, que executa as batidas eletrônicas. Aliás, o som eletrônico é o que sobressai no show, fazendo com que a bateria e a percussão sejam apenas necessários coadjuvantes.

O som de Fernanda Porto é facilmente entendido por todos, pois é pop, mas contém requintes de jazz e bossa nova, o que o torna brasileiro e universal. Essa mistura fica evidente na composição maravilhosa “Sambasssim”, parceria com Alba Carvalho: “Comecei um samba assim/ sem pandeiro ou tamborim/ só pra ver como é que fica/ eletrônico, couro de cuíca”. Se a primeira execução da música foi o suficiente para levantar o público, na hora do bis a galera pegou fogo, fazendo o Canecão ficar pequeno para tanto entusiasmo.

Outro sucesso das pistas na voz da cantora é “Só tinha de ser com você”, de Tom Jobim e Aloysio de Oliveira, que Fernanda transformou numa Drum n’ Bossa: é ritmo de música eletrônica com melodia, harmonia e letra bem brasileiras. A música, que já tocou até em novela, foi o primeiro sucesso de Fernanda Porto, que despontou para o Brasil inteiro, o bastante para, também, levantar a galera.

A apresentação da cantora foi muito bem recebida pelo público carioca. Na entrevista para o programa MPBeleza, a cantora declarou que estava ansiosa por se tratar de um show de lançamento do seu CD. Com certeza ela deve ter ficado feliz com o resultado, pois quem esteve nesta noite no Canecão cantou, se divertiu e aplaudiu essa nova cantora da nossa música popular.

Texto e fotos por Marcelo Ceará e Gabriel Versiani

Shows Marcam Reabertura Do Piscinão De Ramos

No último sábado (23/11), o Piscinão de Ramos foi oficialmente reaberto, depois de pouco mais de duas semanas interditado para limpeza e manutenção. Os freqüentadores comemoraram na festa promovida pela Rádio Viva Rio com a banda Stereo Maracanã e uma série de artistas convidados.

Pouco depois do meio-dia, a galera do Piscinão já dançava ao som do DJ Loopy, abrindo a tarde de shows. Em seguida foi a vez do forró, com Marcus Lucena, César Nascimento e Cassiano do Trio Beija-Flor, e mais tarde o rock das bandas Ant Zona e Molusculos.

Participaram também do evento o cantor Bhega e o Bonde dos Assanhados, grupo da comunidade. A atração final ficou por conta da banda Stereo Marcanã, encerrando a festa com hip hop e black music da melhor qualidade.

Iauguração Oficial Da Rádio Viva Rio

A inauguração oficial da Rádio Viva Rio foi comemorada com uma grande festa no dia 19 de novembro, terça-feira, na sede do Viva Rio (Ladeira da Glória, 98).

O evento contou com a presença de Martinho da Vila e Sandra de Sá, padrinhos da Rádio, entre outros artistas, funcionários e convidados.

Destaques

Segunda feira, 9 de novembro:

10:05h - Chegando no Pedaço
Entrevista com Pedro Camargo Mariano, que lança seu novo CD “Intuição”, com show no Canecão, dia 12 de dezembro.

12:05h - Nas Rodas do Samba
Participação de Flávio Moreira.

15:05h - AfroRitmia
Novo programa da Rádio Viva Rio, que apresenta a velha e a nova safra de ritmos do Brasil, da África e do Caribe: black music, ragga, reggae, calipso e rapso, entre outros sons, estão na lista da programação, que privilegia principalmente a música alternativa, sem espaço na grande mídia.

Destaques Do Dia

10:05 - Chegando no Pedaço

O Chegando no Pedaço desta quinta traz entrevista com o grupo de rap Veredito do Gueto. Formado em 1999, o grupo lançou em 2001 o CD Muito Prazer… somos o Veredito do Gueto, que recebeu indicação para o prêmio Hutus e rendeu à banda convites para shows em vários estados.
Em seguida, uma conversa com Norberto Aguiar, coordenador da Rádio Pirata Produções Artísticas – rádio comunitária da Praia de Ramos, que conta com quarenta caixas de som espalhadas pelas ruas e vielas de Roquette Pinto e no Piscinão.

12:05 - Dorina Ponto Samba

O programa recebe a visita de Ernesto Pires, lançando seu primeiro CD, Novos Quilombos.

14:05 - MPBeleza

No MPBeleza de hoje a banda de pop-rock Leela faz um som ao vivo no “Bate-Bola Musical”. A banda virá munida de guitarras, baixo, bateria e da bela voz de sua vocalista Bianca Jhordão. Haverá ainda sorteio de CD’s da Leela! Para concorrer ligue durante o programa para (21)2555-3787 ou envie um e-mail para mpbeleza@vivario.com.br!

17:05 - Virou Bagunça

O Virou Bagunça de hoje traz o depoimento especial de Samuca no quadro “Batendo de Frente”. Depois de passar quase sete anos na prisão, ele inaugurou o projeto Soldados Nunca Mais, do Instituto Brasileiro de Inovações em Saúde Social (IBISS). Hoje, Samuca coordena o projeto Ponto BR e é referência para mais de 150 crianças de Vila Aliança, em Bangu/RJ. No “Clitorama” Raquel Nijinga critica a imagem esteriotipada da mulher negra na figura da mulata. Dando continuidade ao tema, o “Na Geral” traz entrevista Carlos Alberto Moreira de Souza. Ele é jovem, negro, militante anti-racismo e trabalha com grupos de Hip Hop de São Paulo. PJúnior, no “Quizumbada”, entrevista a filósofa Sueli Carneiro, da ONG Geledés, que trabalha com direitos das mulheres negras.
E é claro, música de primeira: Racionais, Nega Gizza e mais.